A madeira é resistente ao fogo?

Verifique os testes realizados pela Universidade do Minho https://files.acrobat.com/a/preview/982ff065-868c-4a3b-aaf3-cf4e7e0d8cbb

 

O que está incluído no preço?

Fornecimento do KIT BASE constituído por:

Base de assentamento do pavimento - Barrotes em madeira de pinho autoclave com secção de 50mm (não aplicável em determinados modelos, exemplo: garagens);

Pavimento - Soalho em pranchas de madeira maciça macheada de pinho/abeto nórdico com 19 mm de espessura (não aplicável em determinados modelos, exemplo: garagens);

Paredes simples ou paredes duplas - Pranchas de madeira maciça de pinho/abeto nórdico com sistema de encaixe M/F e espessuras de (mm) 34,44, 66, 70, outras espessuras superiores em lamelado colado;

Porta(s) exterior(es) em madeira de pinho/abeto nórdico, inclui vidro duplo e respetivas ferragens (largura mm x altura mm), porta dupla 1600 x 1940, porta simples 850 x 1940;

Porta(s) interior(es) de madeira de pinho/abeto nórdico com respetivas ferragens (largura mm x altura mm) 700 x1940;

Janelas em madeira de pinho/abeto nórdico, inclui vidro duplo com respetivas ferragens (largura mm x altura mm) duplas 1370 x 1030, simples 700 x 1030;

Postigo W.C. em madeira de pinho/abeto nórdico, inclui vidro duplo (largura mm x altura mm) 500 x 500 (aplicável em alguns modelos);

Vigamento - Vigas do telhado em madeira de pinho/abeto nórdico com secção (mm) de 130 x 60;

Cobertura interior - Forro em tábuas de madeira maciça macheada de pinho/abeto nórdico com 19mm espessura;

Todas as peças de madeira de pinho/abeto nórdico são fornecidas no estado natural da madeira, sem qualquer tipo de velatura de proteção e/ou embelezamento.

Qual o custo da montagem?

A montagem é opcional. Caso seja requerida à nossa empresa o custo da montagem do kit base acresce 10, 20 ou 30%, variando essencialmente, em função do local de instalação e área/tipologia da estrutura;

 

Por uma questão de diminuição de custos todos os restantes trabalhos de acabamentos podem ser requisitados a empresas e/ou profissionais de proximidade pois custear despesas de deslocação/alojamento e alimentação tem um incremento ao custo diário de 75€ por colaborador.

 

Caso nos seja requerida a montagem informamos que só iniciamos o respetivo processo após a construção da base estar concluída pelo cliente.

 

Estas casas estão sujeitas a licenciamento?

Depende do tipo e local de instalação, isto porque, nem todos os Municípios obrigam ou isentam de licenciamento.

Relativamente à questão de licenciamento pode optar por uma das seguintes alternativas:

 

a) Recolher informações junto do gabinete técnico do Município onde pretende instalar o equipamento, relativas às construções de carácter amovível, construções de fraca relevância urbanística, ou em alternativa, construções de apoio à atividade agrícola e/ou florestal.

Aconselhamos a consulta do Regulamento Municipal/Plano Diretor Municipal (PDM) onde constam informações relativas a este tipo de construções.

Caso opte pela alternativa (a) facultamos assessoria com projetos, incluindo especialidades, para efeitos de licenciamento a partir de 2.500€ (valor exclui despesas de deslocação necessárias ao Município de instalação);

b) Construir sem recolher qualquer parecer assumindo as consequências que daí podem advir;

Qual a base de assentamento destas estruturas?

São montadas, preferencialmente, sobre uma base de betão armado. Podendo ser outro tipo, nomeadamente, laje, placa de cimento, pilares e vigamento em madeira ou estrutura de chassis, desde que ofereça condições de suporte e de estabilidade garantidas e assumidas pelo cliente.

As fundações são feitas através de sapatas pontuais de betão ou estacas de madeira.

A base é construída pelo adquirente, exceptuando as bases em chassis metálico e as bases com pilares e vigamento em madeira;

O processo de montagem é iniciado após a conclusão da construção da base.

 

Qual a garantia destes Bungalows?

Várias décadas, desde que seja assinado contrato de manutenção com a nossa empresa.

Custo anual do contrato de garantia é de 2.5% a 5% do valor do equipamento e/ou serviços fornecidos pela N/ empresa.

Garantia inclui todos os materiais e mão-de-obra necessários para garantir a longevidade dos respetivos equipamentos.

Garantia exclui danos provocados por má utilização e/ou negligencia.

Sem subscrição de contrato de manutenção garantimos todos os materiais e serviços fornecidos pela N/ empresa, desde que sejam cumpridas todas as recomendações técnicas efetuadas pela nossa empresa, assim como, a aplicação dos produtos por nós recomendados.

5 (cinco) anos em espessuras superiores a 44mm (inclusive);

3 (três) anos em espessuras inferiores a 44mm.

 

Qual a longevidade de uma construção em madeira?

A durabilidade é transversal a várias gerações. Existem construções em madeira com séculos de existência em perfeito estado de conservação.

A durabilidade está diretamente relacionada com a atempada e correta manutenção.

 

Qual o tipo de madeira utilizada?

Os nossos modelos utilizam a madeira de pinho/abeto nórdico ou pinho nacional com tratamento autoclave.

Características principais: elevada densidade de anéis, menor quantidade de resina o que confere maior resistência ao fogo, à água, ao ataque de fungos e ótimo desempenho térmico e acústico.

A madeira apresenta-se no estado natural sem qualquer tipo de tratamento/embelezamento.

Qual o sistema de construção utilizado?

O sistema de construção das paredes é efetuado com pranchas de madeira maciça com encaixe tipo M/F (macho-fêmea), no sentido horizontal não necessitando do uso de pregos, parafusos ou outros acessórios. As paredes são de várias espessuras e tamanhos.

 

As vossas casas de madeira incluem ramais de água, eletricidade, esgotos ou algum tipo de mobiliário, louças sanitárias, torneiras ou monoblocos, interruptores, candeeiros, toalheiros ou eletrodomésticos?

Não, o preço apresentado inclui apenas o fornecimento do KIT BASE. Todos os restantes materiais e/ou trabalhos podem ser requisitados sendo-lhe imputados os custos adicionais.

 

A cozinha e WC têm algum tipo de revestimento?

Não, não têm quaisquer revestimentos incluídos no kit base, no entanto, ambas as divisões podem ser revestidas a azulejo e mosaico ou outro material, desde que seja pretensão e suportados os respetivos custos pelo adquirente;

 

Qual o tipo de manutenção exterior recomendada?

A manutenção recomendada consiste na escovagem antes de efetuar a lavagem das paredes com água, após secagem aplicar duas demãos de velatura.

Esta intervenção deverá ser efetuada em média a cada 6/8 anos para paredes expostas a sul e cada 8/10anos para as restantes. As paredes interiores não necessitam desta periodicidade de tratamento ou manutenção.

 

Qual a segurança contra riscos de incendio?

A segurança ao fogo de um edifício é umas das exigências mais relevantes, sendo que as estruturas de madeira apresentam a reputação errada de ter um fraco desempenho.


A segurança contra o fogo num edifício não significa que este não permita a deflagração de um incêndio. O edifício deve ser projetado de forma a assegurar estabilidade por um tempo determinado possibilitando a sua evacuação em condições de segurança, dificultando a propagação do fogo e fumo no seu interior e limitando a propagação do fogo aos edifícios vizinhos. Deve também estar pensado de forma a facilitar a intervenção dos serviços de socorro.


A legislação sobre segurança contra incêndios encontra-se dispersa em um grande número de documentos avulsos. O documento mais relevante é o Regulamento Geral de Segurança Contra Incêndios, RGSCIE que foi recentemente atualizado Decreto-Lei nº 220/ 2008, de 12 de Novembro - RG-SCIE. Assim, no fim de 2008 foi divulgado o novo regulamento geral, denominado Regime Jurídico de SCIE constituído pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, ANPC.


A avaliação do risco de incêndio, comporta duas classificações muito específicas dos materiais constituintes de um sistema, avaliando a sua reação ao fogo e a resistência ao fogo.

 

Qual a reação e resistência ao fogo?

Entende-se por reação ao fogo como sendo o comportamento face ao fogo dos materiais de construção, considerando em termos do seu contributo para a origem e desenvolvimento do incêndio.

 

Para avaliar a reação ao fogo de um material, estes são submetidos a ensaios executados segundo especificações do LNEC, E365 a E371, semelhantes aos idealizados nas normas francesas. Os materiais, antes de ser submetidos a ensaios, são distribuídos consoante a sua tipologia pelos seguintes grupos:

 

Grupo A – materiais flexíveis, com espessura inferior a 5 mm, aplicados sem ligação direta sobre um elemento de suporte;

Grupo B – materiais flexíveis, com espessura superior a 5 mm, aplicados sem ligação direta sobre o suporte;

Grupo C – pinturas e revestimentos de paredes e tetos, sobre o elemento de suporte;

Grupo D – revestimentos de piso assentes sobe o elemento de suporte.

 

Mediante os resultados dos ensaios os materiais são classificados, como descrito no quadro abaixo.

 

Classe Designação

M0 Materiais não combustíveis

M1 Materiais não inflamáveis

M2 Materiais dificilmente inflamáveis

M3 Materiais moderadamente inflamáveis

M4 Materiais facilmente inflamáveis

 

Comparação entre sistemas

Ao fazer a análise do comportamento ao fogo das estruturas de madeira, é necessário falar dos problemas que lhe são muitas vezes atribuídos. Como já foi referido no capítulo sobre madeira maciça, a madeira é um material combustível, que entra em combustão por volta dos 300º C mas que vê este processo abrandado pela formação de uma camada de carvão que reduz a velocidade de carbonização média para valores de 0,6 a 0,7 mm/min.

Este processo permite à madeira manter a sua estabilidade estrutural por tempo suficiente para uma evacuação eficaz dos edifícios. Se o incêndio for controlado a tempo, as habitações podem ficar utilizáveis em pouco tempo através de uma decapagem da camada carbonizada e da aplicação de um verniz, devendo por isso ser evitada a utilização de peças delgadas.

 

Os sistemas que utilizam derivados, apresentam performances idênticas ou ainda melhores que as madeiras maciças pois as velocidades de carbonização conseguem ser inferiores quando são usadas madeiras de árvores folhosas (hardwood), pois aquelas velocidades crescem inversamente com a densidade. Dos derivados considerados verificou-se que quase todos apresentam velocidades entre os 0,6 e 0,7 mm/min excepto o X-Lam que apresenta 0,76.

 

O principal inconveniente dos sistemas em madeira tem a ver com a classificação da reação ao fogo.
Uma madeira maciça não tratada apresenta uma classificação M3 ou M4, que habitualmente são superiores às dos outros materiais de construção, M0 a M1 (betão, aço, cerâmicos). Os valores da madeira tratada, descem facilmente com a aplicação de produtos de revestimento com boa reação ao fogo (M1). O mesmo se sucede com os derivados da madeira. Observando os catálogos e certificados dos produtos verifica-se que o kerto e o X-LAM são classificados como M3 e os restantes como M4 (conversão do sistema proposto pela CE).

 

Mais duvidas?

Para além destas, outras questões podem ser colocadas através de correio eletrónico geral@euromodular.com ou pelo telefone 938 145 680